Contacto

Se deseja mais informação sobre as campanhas de ASMI para promover os produtos do mar do Alaska, solicitar informação para imprensa ou material gráfico, por favor contacte o escritório do sul da Europa, situado em Barcelona, Espanha:

David McClellan

Representante Regional Alaska Seafood Marketing Institute

C/ Borrell 7 – Local 19 08190 St. Cugat del Vallès (Barcelona) Espanha

Tel:+34 93 589 8547
Fax:+34 93 589 7051

E-mail: dmcclellan@alaskaseafood.org
Web: www.alaskaseafood.org

Segue-nos nas Redes Sociais

PEIXE, OMEGA-3 E A VISÃO

PEIXE, OMEGA-3 E A VISÃO

Peixes e mariscos são as fontes mais ricas de dois admiráveis ​​ácidos graxos ômega-3, EPA* e DHA*.  Estas substâncias são componentes essenciais do óleo de peixe que trazem benefícios para a saúde do coração, cérebro, vasos sanguíneos e sistema imunológico. O DHA é essencial para o desenvolvimento saudável do cérebro e da visão, mas os humanos não podem produzir esse ácido graxo. Têm que depender de uma dieta que lhes forneça quantidades adequadas. O DHA está concentrado em níveis elevados no cérebro e na retina dos olhos, onde participa da função visual e da comunicação célula a célula. O DHA é importante para ter uma visão saudável desde os primeiros momentos de nossa vida até a velhice. É por isso que peixes, ômega-3 e visão andam de mãos dadas. 

Desenvolvimento visual na gravidez e na infância 

PEIXE, OMEGA-3 E A VISÃO

Muito antes do nascimento, os olhos em desenvolvimento começam a acumular DHA. Após o nascimento, o cérebro e o sistema nervoso do bebé continuam a desenvolver e adicionar DHA. Eventualmente, a retina dos olhos consegue acumular a maior concentração de DHA de qualquer tecido do corpo. 

A retina é “essencialmente um pedaço de tecido cerebral” que reveste o olho, de acordo com a especialista Helga Kolb, professora emérita da Universidade de Utah. Recebe energia da luz, que a transforma em sinais bioquímicos e elétricos e a envia ao cérebro para processá-la como “visão”. A retina usa células fotorreceptores especializadas, chamadas bastonetes e cones na retina, para processar a luz. Os cones processam cores e visão à luz do dia. 

Os bastonetes são responsáveis ​​pela visão noturna, deteção de movimento e visão periférica. São altamente enriquecidos com DHA, que é fundamental para sua função. Se o DHA for insuficiente, a acuidade visual – que é a capacidade de distinguir detalhes finos – é reduzida. A acuidade visual desenvolve-se rapidamente no primeiro ano de vida e aumenta lentamente até cerca de 3 anos de idade. Ter uma abundância de DHA aumenta a maturação da retina. 

Bebés que recebem quantidades muito baixas de ômega-3 durante o desenvolvimento fetal (gravidez) têm menos DHA no cérebro e na retina, em comparação com aqueles com um suprimento adequado desses ácidos graxos. Também têm baixa acuidade visual. Após o nascimento, bebés amamentados, que recebem DHA do leite materno, têm melhor acuidade visual do que bebés alimentados com fórmula sem DHA. No entanto, a fórmula infantil com DHA e ácido araquídico (outro ácido graxo importante para o desenvolvimento fetal e infantil) adicionados já está disponível. Essas fórmulas suplementadas são absolutamente preferíveis às fórmulas sem esses ácidos graxos. Crianças alimentadas com fórmula com DHA adicionado na infância geralmente têm melhor acuidade visual do que aquelas que são alimentadas com fórmula sem esses suplementos. No entanto, nem todos os estudos observaram tais diferenças. 

Bebés prematuros representam uma condição especial. Esses bebés nascem com menos DHA nos seus tecidos do que os bebés nascidos a termo porque não têm um período crítico no qual o DHA e outros ácidos graxos são transferidos da mãe para o feto. Também têm muito pouca gordura corporal, por isso não têm stock de DHA. Por essas razões, os bebés prematuros são alimentados com uma fórmula especial enriquecida com nutrientes contendo DHA e ácido araquídico. Algumas mães também podem fornecer leite materno. Assim que os bebés prematuros estiverem prontos para a fórmula regular, devem receber a fórmula apropriada para a idade com DHA adicionado para garantir o desenvolvimento ideal do cérebro e da retina. 

Estudos têm sido feitos para sugerir que quanto mais os bebés recebem DHA, seja pela amamentação ou pela fórmula suplementada, melhores acuidades visuais terão por volta de um ano de idade. Fornecer alimentos com DHA após o desmame do bebé contribui para uma melhor acuidade. Uma vez que as crianças começam a comer alimentos sólidos, geralmente aos 4 a 6 meses de idade, existem alguns alimentos com EPA e DHA. Uma seleção é o ômega-3 dos ovos (as gemas). Conforme os bebés ficam mais velhos, podem obter esses ácidos graxos de peixes enlatados, congelados ou frescos. Além disso, o peixe é facilmente digerido e também fornece outras vitaminas e minerais. 

Função visual com o avançar da idade 

Comer marisco regularmente durante a infância e na vida adulta ajuda a reduzir o risco de outras doenças que ocorrem mais tarde na vida, especialmente doenças cardíacas. Também pode ajudar a manter uma visão saudável. 

Degeneração macular relacionada à idade: 

Uma condição que se desenvolve em algumas pessoas mais velhas é a degeneração macular relacionada à idade ou DMRI. É mais comum entre fumadores, obesos, olhos claros e história familiar da doença. AMD é uma doença ocular progressiva em que a parte central da retina é danificada. A visão central escurece gradualmente, torna-se embaçada e aumenta. A DMRI pode causar perda severa de visão e, eventualmente, cegueira. À medida que a condição se desenvolve, as células pigmentadas da retina são danificadas e destruídas, causando danos ainda maiores à retina. Quando o DHA é abundante, a retina se protege. 

O DHA na retina é usado para formar uma substância chamada neuroprotectina D1. Esta substância protege as células pigmentadas da retina contra danos e destruição. O próprio DHA também ajuda a proteger essas células e evita sua perda. Esses mecanismos ajudam a explicar por que as pessoas que comem peixe com frequência – mais de uma vez por semana – têm um risco significativamente menor de contrair DMRI. Há um relatório que afirma que pacientes em estágios iniciais de DMRI que realizaram tratamento com ácidos graxos ômega-3 e duas outras substâncias relacionadas à nutrição, melhoraram sua função visual após um ano. Quase nenhum paciente piorou sua condição. Os estudos com ômega-3 em pacientes com DMRI são muito recentes, portanto, pesquisas adicionais são necessárias para verificar este estudo promissor. 

Catarata e Glaucoma: As cataratas obstruem a visão porque o cristalino (cristalino) dos olhos fica turvo. O resultado é uma visão embaçada. Em contraste, o glaucoma resulta do aumento da pressão nos olhos. Reduz a visão periférica. Pesquisas ligando essas condições ao nível de ácido graxo ômega-3 são limitadas, mas o que está disponível sugere que o baixo consumo de peixe está associado a um risco aumentado de desenvolver catarata. Pacientes com glaucoma dominante foram relatados como tendo baixos níveis de EPA e DHA no sangue. Essas associações precisam ser confirmadas, mas são consistentes com a importância do DHA na função ocular saudável.  

[Escrito por Joyce A. Nettleton, DSc, RD, ScienceVoice Consulting, Denver, CO.] 

* EPA ou ácido eicosapentaenóico; DHA ou ácido docosahexaenóico 

Se quiser saber mais informações sobre os benefícios para a saúde dos peixes selvagens, clique aqui

Sem comentários

Desculpe, o formulário de comentários está fechado neste momento.